This site uses cookies. By continuing to browse the site you are agreeing to our use of cookies. STR takes the privacy of your information seriously.
To understand how and why STR uses, manages and protects personal information, please Click Here to review our updated privacy policy.  Close

 

Hotéis do Brasil mostram primeiros sinais de recuperação

O setor hoteleiro do Brasil sofreu quedas de desempenho devido à recessão e às flutuações causadas pela copa do mundo em 2014 e as olimpíadas em 2016. 

Porém, começamos a notar os primeiros sinais de recuperação no crescimento da ocupação em 9 cidades do Brasil. Também notamos crescimento de dois dígitos (+10,4%), reportado a nível país para o mês de outubro. As taxas de ocupação mais altas para outubro até à data foram reportadas em Belo Horizonte (+9,5%), Salvador (+8,1%) e Brasília (+8,1%).

Virá agora o crescimento da Diária Média?

A retomada do crescimento da ocupação pode indicar a volta do crescimento da diária média (ADR), especialmente à medida que o ambiente econômico começa se estabilizar e os hotéis começam a presenciar uma demanda mais estável. 

A ideia de que atingimos o máximo das perdas em ADR parece ser comprovada por um desempenho histórico a longo prazo. Analisando os dados desde janeiro de 2012, vemos que a diária média hoteleira no Brasil está se aproximando dos níveis anteriores aos megaeventos (BRL283).

Embora comparações interanuais continuem a mostrar números negativos relativos à diária média, em termos absolutos, desde agosto, sempre vem subindo.

RevPAR em crescimento

Com a mistura de crescimento da ocupação e queda das diárias médias, sete cidades reportaram crescimento nos primeiros 10 meses de 2017, lideradas por Fortaleza (+6,4%) e Belo Horizonte (+5,6%). Rio de Janeiro (-44,7%) e Barra da Tijuca (-52,8%) foram exceção, continuando sendo afetado pelas comparações com os meses das olimpíadas. 

São Paulo Forecast

Os hotéis de São Paulo demonstraram resistência em 2017 e agora esperamos ver o RevPAR crescer acima de 2,0%, impulsionado principalmente pela demanda. Nossa previsão para 2018 é que a demanda continuará crescendo entre 1,5% e 2,0%, e que a diária média deverá ser o principal impulsor de crescimento em 2018, esperamos que atinja 3,0% de crescimento. No entanto, há alguns riscos ligados ao impacto de eventos na cidade, que poderão levar a um crescimento mais forte, especialmente porque a economia do Brasil está registrando uma recuperação depois da recessão.

 A Oxford Economics antecipa um aumento de 2,4% para o PIB brasileiro em 2018.

Disponíveis já: Relatórios de Previsão (Forecast) para São Paulo e Buenos Aires!